História dos Morgados vale bolsa de 1,6 milhões de euros a alumna da FLUL

A investigadora Maria de Lurdes Rosa, que se licenciou em História pela FLUL, acaba de ganhar uma bolsa “Consolidator” do Conselho Europeu de Investigação (ERC), no valor de 1,6 milhões de euros. 

img 797x4482018 11 29 13 21 50 559703O valor foi atribuído pelo ERC ao projecto "Entailing Perpetuity: Family, Power, Identity. The Social Agency of a Corporate Body (Southern Europe, 14th-17th Centuries)".

A alumna, que actualmente é docente do Departamento de História da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (FCSH) da Universidade Nova de Lisboa e Investigadora integrada do Instituto de Estudos Medievais da mesma Faculdade, vai estudar a história dos morgados nos séculos XIV a XVII em Portugal, nas sociedades e espaços atlânticos e da Europa do sul.

Os morgadios, que foram extintos em Portugal em 1863, eram um tipo de vínculos jurídicos que ajudavam a proteger a propriedade de um grupo familiar durante várias gerações.

Ao FLUL Alumni, a alumna conta que começou "a estudar este assunto na FLUL, numa cadeira do 2.º ano da licenciatura em História, com um professor que nos marcou a todos: Miguel Rodrigues, infelizmente já falecido. A partir daí não mais deixei de o fazer, escolhendo-o para tema de trabalho em anos sucessivos e, quando fui fazer o mestrado em História medieval na FCSH, como tema de tese".

morgadiosA ligação ao tema vem da década de 1980, quando fez o primeiro trabalho de grupo sobre o morgadio em Portugal em Maio de 1985, para a cadeira do Professor Doutor Miguel Rogrigues (ver fotografia ao lado).

Maria de Lurdes Rosa frisa ainda que "a investigação nos anos de licenciatura manteve-se sempre importante e ainda hoje beneficio dela, nomeadamente em conhecimentos arquivísticos".

Com o valor agora ganho, a investigadora prevê contratar cinco investigadores de pós-doutoramento e quatro com mestrado. A edição de cinco livros e a promoção do restauro de documentos sobre a história dos morgados estão entre os objectivos da investigação. Muitos destes documentos são pertença de famílias espalhadas por Portugal, mas há muitos que estão disponíveis em arquivos públicos.

Já este ano, também a alumna da FLUL e investigadora do Centro de História da Universidade de Lisboa Joana Freitas, ganhou uma bolsa Starting Grant 2018 de mais de um milhão de euros (1,062,330 euros), atribuída pelo Conselho Europeu de Investigação a investigadores de excelência em início de carreira.

Texto: Tiago Artilheiro (FLUL-DRE, Núcleo de Imagem, Comunicação e Relações Externas)    

Fotografia: Paulo Oliveira/ INOVA MEDIA LAB