Antiga aluna da FLUL vence prémio de literatura infantil

A alumna Ana Pessoa, que se formou em Línguas e Literaturas Modernas (Estudos Portugueses e Alemães) pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa (FLUL), foi a vencedora do Prémio Literário Maria Rosa Colaço 2018, dedicado à literatura infantil, com o original Aqui é um bom lugar.

ana pessoaEm comunicado, a Câmara Municipal de Almada, que promove o prémio, justifica a escolha de Aqui é um bom lugar pelo "longo e vivo registo autobiográfico”, no qual Teresa Tristeza (pseudónimo de Ana Pessoa) vai dando a conhecer “o seu mundo, aquilo que dentro de si fervilha e aquilo que sobre os outros vai pensando". O júri do Prémio destaca, ainda, a verosimilhança e a força que a obra apresenta ao nível narrativo, bem como “a linguagem e o estilo, muito contemporâneos, que distinguem o relato".

iphone photoA história de 'Aqui é um bom lugar', que se passa entre o Outono e o Verão, entre os 17 e os 18 anos da protagonista e relata sua passagem pela Escola Secundária e a entrada na Universidade, valeu à alumna um prémio de cinco mil euros na 13.ª edição deste prémio literário, que contou com cerca de meia centena de obras apresentadas a concurso. Segundo a autora, o texto “não é um romance nem uma novela. É um conjunto de reflexões curtas e lacónicas da Teresa Tristeza, uma moça de 17 anos que, ao longo do 12.º ano, escreve um diário gráfico”, revela no seu blogue Belgavista.

Ana Pessoa nasceu em Lisboa em 1982 e começou a escrever histórias aos 10 anos. Com 22 anos fez um estágio de seis meses na Alemanha e, actualmente, vive em Bruxelas onde trabalha como tradutora. Tem contos publicados em várias colectâneas e textos premiados em Portugal (incluindo Jovens Criadores'10, Aveiro Jovem Criador 2010 e Jovens Criadores'12). Internacionalmente, a alumna foi, também, distinguida no Concurso Internacional de Contos Um mar de palavras 2010, em Espanha, e no Concurso Internacional de Teatro Castello di Duino 2011, em Itália.

O seu primeiro livro, O caderno vermelho da rapariga Karateca, venceu o Prémio Branquinho da Fonseca 2011, na modalidade Juvenil. Eu sou, eu sei é a sua última obra, publicada já este ano.

A alumna integra a selecção Aarhus39, composta por 39 escritores europeus de literatura infanto-juvenil, com menos de 40 anos, considerados mais promissores e relevantes.

Texto: Tiago Artilheiro (FLUL-DRE, Núcleo de Imagem, Comunicação e Relações Externas)    |      Fotografia: Direitos Reservados