Fernando Ribeiro

Vocalista, Letrista e Escritor

ribeiro fernando

Fernando Miguel Santos Ribeiro, ou simplesmente Fernando Ribeiro, como é conhecido, nasceu a 26 de Agosto de 1974 e teve a sua passagem pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa na década de 90, onde cursou Filosofia sem, no entanto, concluir a licenciatura. É também neste período que integra os recém-criados Moonspell, sendo um dos membros fundadores e o vocalista da banda que se viria a tornar numa das maiores referências musicais do Metal Gótico português. Para além de dar voz ao grupo, Fernando Ribeiro é também letrista, dedicando-se à escrita ao longo de toda a carreira.

Os anos 2000 assinalam a intensificação da actividade literária de Fernando Ribeiro. Em 2001, lança a primeira das quatro obras poéticas da sua autoria, Como Escavar um Abismo, a que se seguem: As Feridas Essenciais (2004), Diálogo de Vultos (2007) e Purgatorial, lançada em 2015. Em 2011 lança ainda um livro de contos, designado de A Senhora Vingança. Para além de autor, Fernando Ribeiro participou, por várias vezes, noutros projectos literários, tendo traduzido para português Eu Sou a Lenda (I am Legend) de Richard Matheson, e tendo também colaborado na edição e tradução dos dois primeiros volumes da obra integral de H.P. Lovecraft, autor de ficção de terror. Por ser um dos nomes mais influentes do Metal nacional, e dada a sua relação com a escrita, é ainda colunista para a revista Loud!, inteiramente dedicada a esse género musical, numa coluna mensal intitulada “The Eternal Spectator”.

No panorama musical, para além de vocalista e letrista dos Moonspell, Fernando Ribeiro chegou a participar noutros projectos no âmbito do Metal: colaborou com os Bizarra Locomotiva; fundou o projecto musical Daemonarch; e fez parte de um outro projecto musical, o Orfeu Rebelde.

Participou ainda no projecto Amália Hoje (2009), juntamente com Nuno Gonçalves, Paulo Praça e Sónia Tavares, vocalista da banda The Gift (com quem é casado e tem um filho), cujo objectivo consistia, essencialmente, na reinterpretação de alguns clássicos de Amália Rodrigues, segundo uma abordagem musical mais contemporânea.