Maria João Neto

Professora e Investigadoraneto

De seu nome completo Maria João Quintas Lopes Baptista Neto, nasceu em Lisboa, a 20 de Setembro de 1963. Em 1985, na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, realizou a licenciatura em História, variante de História da Arte, área em que foi docente desde o início de carreira. Foi também nesse ano que começou o seu estágio nesta instituição. Cinco anos depois, em 1990, conclui, na mesma Faculdade, o mestrado em História da Arte, apresentando uma tese dedicada aos restauros levados a cabo no mosteiro da Batalha, desde meados do séc. XIX até ao séc. XX, intitulada O Restauro do Mosteiro de Santa Maria da Vitória de 1840 a 1900, assunto que aborda também na sua obra James Murphy e o Restauro do Mosteiro de Santa Maria da Vitória no séc. XIX, lançada em 1996. Foi também nesse ano que concluiu o doutoramento, com uma tese intitulada A Direcção-Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais e a Intervenção no Património Arquitectónico em Portugal (1929-1960), denotando, uma vez mais, a sua preocupação com a salvaguarda patrimonial.

Dois anos após a conclusão do doutoramento integra a equipa responsável pelas campanhas de restauro do claustro do Mosteiro de Santa Maria de Belém (mais conhecido por Mosteiro dos Jerónimos), funções que desempenhou até 2002. Durante esse período, mais concretamente em 2001, publica também a obra Memória, Propaganda e Poder - o Restauro dos Monumentos Nacionais (1929-1960), onde se torna a debruçar sobre as diferentes abordagens nas práticas de restauro patrimonial, contextualizando-as histórica e politicamente.

Entre 2001 a 2003 participou no projecto internacional Plants in European Masterpieces Project, proposto pelo World Monuments Fund e financiado pelo Programa Europeu Cultura, que tinha como objectivo estabelecer a relação entre a Botânica e a Arte, um conceito iniciado no decurso da identificação dos elementos vegetalistas encontrados no mosteiro dos Jerónimos, onde Maria João Neto trabalhou até 2002. Três anos depois, em 2005, foi dirigente do Núcleo de Investigação da História do Restauro e da Conservação do Património Construído, a convite da Câmara Municipal de Óbitos, no âmbito da candidatura da vila a Património da Humanidade, funções que desempenhou até 2007, ano em que fez as provas de agregação para a Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, onde continua a exercer a docência até ao presente. Em 2008 publica ainda o livro James Murphy, Arquitectura Gótica - Desenhos do Mosteiro da Batalha – Reedição do Álbum de 1795.

Actualmente é também a Vice-Directora do ARTIS - Instituto de História da Arte da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, responsável pelo grupo Patrimonium e a Directora do curso de Mestrado em Arte, Património e Teoria do Restauro orientando, sobretudo, as teses dedicadas à História e Teoria do Restauro, à Conservação de Obras de Arte e à Gestão Integrada do Património Artístico.