Simonetta Luz Afonso

Curadora e Museóloga

simonetta

Nascida em 1946, com raízes italianas do lado materno, Simonetta Luz Afonso licenciou-se em História pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Seguiu-se uma Pós-Graduação em Museologia, uma especialização em Conservação e Restauro e, por último, um Doutoramento em História da Arte.

Simonetta Luz Afonso iniciou a sua carreira a 1972 no Palácio Nacional da Pena, onde trabalhou como conservadora, as mesmas funções que tornou a exercer, dois anos depois, no Palácio Nacional de Queluz, do qual se tornou Directora, cargo que exerceu de 1983 a 1991. Poucos anos antes (de 1980 a 1983) tinha também exercido as funções de Presidente do Instituto de Conservação e Restauro. É no ano de 1991, o último ano do seu período de Direcção do Palácio Nacional de Queluz, que inicia as funções de Directora-Geral do recém-criado Instituto Português de Museus, até 1996. Na mesma altura, mais concretamente entre 1995 e 1997, foi Presidente da secção portuguesa do Centro Internacional para o Estudo da Preservação e Restauração de Bens Culturais, onde executou um plano estratégico de reestruturação e modernização da rede de museus portugueses.

Para além dos vários cargos administrativos que executou, Simonetta Luz Afonso permaneceu activa na área da Curadoria, sendo a principal responsável pela contribuição portuguesa para o Festival Europália 91, onde também participou como comissária. Em 1995, no âmbito de preparação da Expo 98, ficou encarregue do Pavilhão de Portugal, exercendo novamente como comissária de Portugal durante o evento, funções que torna a desempenhar, dois anos depois, na Expo 2000, em Hannover. Do ano seguinte até 2004, torna-se curadora no Museu da Assembleia da República, ainda que o contacto com a Política não se tenha limitado à Curadoria. Do ano 2004, último ano em que exerceu funções de curadora no Museu da Assembleia da República, até 2008, foi a Presidente do Instituto Camões.

Segue-se a sua passagem pela vida política quando, a 9 de Novembro de 2009, é eleita Presidente da Assembleia Municipal de Lisboa. Apesar de se afirmar como independente, foi apoiante do candidato socialista António Costa. Na área da Comunicação Social, subscreveu o manifesto em defesa do serviço público de rádio e televisão (2012).

Devido ao seu vasto percurso no Sector Cultural, foram-lhe atribuídas, entre 1990 e 2009, nove honras distintas: três nacionais, uma da Grécia, uma da França, uma da República do Chipre, uma da Finlândia, uma dos Países Baixos e uma da Alemanha.