António Borges Coelho

Historiador e Investigadorborges coelho

 

António Borges Coelho nasceu em Murça, Trás-os Montes, em 1928. O historiador e investigador António Borges Coelho tirou a licenciatura em Ciências Histórico-Filosóficas pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, em 1967, doutorando-se, em 1984, na mesma instituição. A sua tese de doutoramento, referente à Inquisição Eborense, tornou-se numa das grandes referências do seu trabalho na área. Contudo, ainda antes de elaborar a sua tese, António Borges Coelho levou a cabo outros trabalhos investigativos relativamente à Ocupação Muçulmana na Península Ibérica, com destaque para a colectânea de textos árabes referentes à sua presença no território português, publicada sob a designação Portugal na Espanha Árabe (1972-1975), publicando ainda obras incidentes em episódios decorridos desde a Idade Média, como A Revolução de 1383 (publicada em 1965), à Idade Contemporânea, como O 25 de Abril e o Problema da Independência Portuguesa (publicada em 1975). 

Publicou grandes obras de destaque, nomeadamente, As Raízes da expansão Portuguesa (1964), Questionar a História - Ensaios sobre História de Portugal (1983), Quadros para Uma Viagem a Portugal no Século XVI (1986), Inquisição de Évora, 2 vols. (1987), Tudo é Mercadoria. Sobre o percurso e a obra de João de Barros (1992), Clérigos, Mercadores, Judeus e fidalgos (1994), O Tempo e os Homens - Questionar a História III (1996), Cristãos - Novos Judeus e os Novos Argonautas (1998), Política, Dinheiro e Fé - Questionar a História V ( 2001) e O Vice-Rei Dom João de Castro (2003).

Ao nível da literatura, António Borges Coelho, escreveu também algumas obras como Roseira verde (1962), Ponte Submersa (1969), No mar oceano (1981) e O Príncipe Perfeito (1991).

Das várias funções que exerceu ao longo da sua carreira é de referenciar o seu percurso pelo jornalismo a partir de 1968, sendo um dos co-fundadores de A Capital e chegando a colaborar com o Diário de Lisboa, o Diário Popular e ainda com as revistas Seara Nova e Vértice. Contudo, foi na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa onde exerceu a esmagadora maioria das suas funções e cargos académicos: Professor Catedrático de História, membro do júri de diversas provas de Mestrado e de Doutoramento e Presidente do Concelho Pedagógico. Foi também Director do Centro de História da Universidade de Lisboa e Director da revista História e Sociedade. 

António Borges Coelho jubilou-se em 1988, dando a sua última lição a 11 de Dezembro do mesmo ano. Contudo, apesar de cessadas as suas funções de professor universitário, continua activamente as suas investigações na área da História e Política.

Autor de uma vasta e riquíssima bibliografia (onde se inclui também a poesia, o teatro e a ficção), participou em diversos congressos e reuniões científicas, nomeadamente em Espanha e no Brasil. Foi agraciado com a Grã-Cruz da Ordem de Santiago e recebeu o Prémio da Fundação Internacional Racionalista.