Maria Filomena Mónica

Socióloga, Investigadora e Escritoramonica filomena

Nascida a 30 de Janeiro de 1943, Maria Filomena Mónica ingressa na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, onde conclui a sua licenciatura em Filosofia em 1969. 

Depois da sua passagem pela FLUL, Maria Filomena Mónica desloca-se até Oxford, onde conclui o seu doutoramento em Sociologia (1978).

Além das suas publicações na esfera da sociologia, de que se destaca Visitas ao Poder (com edições em 1993, 1994 e 1999), obra que lhe veio a outorgar o Prémio Máxima de Literatura, o seu interesse pelo passado histórico e literário nacional leva-a a redigir biografias de figuras como Fontes Pereira de Melo (1999), Eça de Queirós (2001) e D. Pedro V (2007).

Anos depois, invocando sua condição de mulher que testemunhou na primeira pessoa a vida num Portugal fechado e conservador, procede à elaboração de uma obra autobiográfica, intitulada Bilhete de Identidade, Autobiografia 1943-1976 (2005), uma das muitas publicações da sua autoria que se somam desde 1978, ano da sua primeira obra, Educação e Sociedade no Portugal de Salazar, sendo parte da sua bibliografia vocacionada para o panorama histórico-social português contemporâneo.

Em anos mais recentes evidencia uma preocupação crescente com questões educativas, presentes em publicações como Vale a Pena Mandar os Filhos à Escola? (2008) ou A Sala de Aula (2014). É de referir, ainda, a sua incursão na literatura ficcional com Os Cantos: A Tragédia de uma Família Açoriana (2010). Publicou em 2016 Os Pobres e em 2018 Os Ricos, livro sobre o qual o FLUL Alumni falou com a alumna.

Para além das suas publicações, durante o ano de 2009 exerce funções como investigadora-coordenadora no Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, colaborando ainda na revista Análise Social. Actualmente, apesar de aposentada, mantém a sua actividade literária.