Maria Alzira Seixo

Professora e Crítica Literáriamaria alzira seixseixo o

Maria Alzira Seimão dos Santos Seixo, nascida a 29 de Abril de 1941, licenciou-se em Filologia Românica pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa em 1963, onde se tornou docente de Literatura Francesa pouco depois de se ter licenciado. Ainda antes da conclusão de licenciatura, chegou a leccionar no Liceu Rainha Dona Leonor (no ano lectivo de 1963/1964), leccionando ainda em mais uma escola secundária, o Liceu Nacional de Setúbal (ano lectivo de 1964/1965) antes de se tornar professora universitária. Tirou o doutoramento em Literatura Francesa, cadeira que leccionou na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, sendo ainda a criadora e dirigente da revista Ariane, dedicada a estudos franceses.

Apesar do seu doutoramento e do apreço pelo Francês, Maria Alzira Seixo foi também uma forte entusiasta da Literatura Portuguesa, dedicando boa parte das suas funções académicas e das suas publicações a autores nacionais. É neste âmbito que, a 1968, publica o primeiro livro A Expressão do Tempo no Romance Português Contemporâneo, com estudos sobre Agustina Bessa Luís, Vergílio Ferreira, Maria Judite Carvalho e Augusto Abelaira. No ano seguinte, funda a Associação Portuguesa de Literatura Comparada, a que preside, e a revista Dedalus, pertencente à Associação, que é apontada como uma das revistas do Pós-Modernismo. Foi também a Presidente do Centro Português da Associação Internacional de Críticos Literários (de 1984 a 1987), da Associação Internacional de Literatura Comparada (de 1991 a 1994) e da Federação Internacional de Línguas e Literaturas Modernas (de 1999 a 2002).

Enquanto docente, para além de se tornar professora catedrática na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, foi professora convidada nas Universidades de Poitiers, da Califórnia, em Santa Barbara, de Chicago, de Johns Hopkins, em Baltimore, e da Polinésia Francesa, no Tahiti, leccionando ainda nos Centros Universitários de Faro e do Funchal, e prestando colaborações nas Universidades de Évora e do Minho. Entre 1990 e 2000 dirigiu o Seminário de Estudos "A Viagem na Literatura", da Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses, para o qual realizou seis colóquios internacionais em Portugal e no estrangeiro. Dentro da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, para além de aluna e docente, foi ainda Directora (entre 1996 e 1998), tendo dado início à construção do actual edifício da sua Biblioteca.

Para além dos vários cargos administrativos que ocupou e das funções de docente, foi ainda colaboradora na Colóquio/Letras, no Jornal de Letras, Artes e Ideias, e em muitas revistas estrangeiras. Participou na elaboração de antologias de Literatura Portuguesa e na antologia comentada de O Livro do Desassossego de Bernardo Soares e dirigiu a colecção Práticas de Leitura, que publicou textos de problemática marxista, semiológica e estruturalista, a colecção Textos Literários, de introdução à leitura de escritores portugueses, e a colecção Viagem da Editora Cosmos.

Aposentou-se do cargo de professora em 2001, continuando, no entanto, a ser membro do Centro de Estudos Comparatistas da FLUL, que integra desde a sua fundação. No total, foi premiada em seis ocasiões distintas, sempre no âmbito dos seus estudos literários, e recebeu três condecorações, duas francesas e uma portuguesa. Actualmente é Membro do Conselho das Ordens Nacionais, continuando a dedicar os seus estudos e ensaios a questões de História da Literatura e de Crítica Literária, sendo uma das mais efusivas personalidades a contestar o Acordo Ortográfico.