Gonçalo Tocha

Realizador, Editor, Músico e Professor

tocha goncalo

Nascido em Lisboa a 13 de Janeiro de 1979, mas com raízes açorianas, Gonçalo Tocha foi aluno de Língua e Cultura Portuguesa na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, curso que concluiu em 2002. Três anos antes, tinha já fundado o NuCiVo, ou Núcleo de Cinema e Vídeo, criado em colaboração com a Associação de Estudantes, onde trabalhou no âmbito da programação, edição e realização documental, vocacionada, sobretudo, para o activismo político. Foi também o organizador e o responsável pelo Workshop ‘’Oficina do Olhar’’, que decorreu de 2004 a 2006, na mesma Faculdade, inteiramente dedicado ao Vídeo Documental.

Por esta altura, Gonçalo Tocha tinha já concluído uma pós-graduação em Português como Língua Estrangeira (2003), também na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, chegando a exercer, pontualmente, como docente de Português para Estrangeiros.

Sócio e membro da Direcção do ABC-CineClube Lisboa desde 2001, onde prosseguiu as suas actividades de programador e produtor, e, desde 2004, membro da equipa do Incrível Club, um espaço cultural situado na antiga sala de Cinema de Almada, onde é responsável pela programação na área de Cinema e Vídeo.

Gonçalo Tocha foi mantendo contacto com o trabalho de diversos autores, devido aos múltiplos intercâmbios videográficos e cinematográficos, e em 2007, realiza a primeira longa-metragem da sua autoria, Balaou, uma homenagem cinematográfica à sua mãe que versa sobre uma “viagem para aceitar o esquecimento das coisas”, como o próprio dilucida em “Gonçalo Tocha em conversa com o realizador Paulo Viveiros”, 2007. Esta sua estreia foi distinguida com os prémios de Melhor Filme Português e Melhor Fotografia no IndieLisboa 2007, tendo sido ainda considerada, pela Variety, um dos melhores 20 filmes não estreados nos Estados Unidos.

Em 2011 lança o documentário É na Terra não é na Lua, que retrata a vida na ilha do Corvo. Esta segunda longa-metragem teve estreia mundial no Festival de Locarno e foi multiplamente distinguida: foi eleita o melhor documentário do 55º Festival Internacional de Cinema de São Francisco, nos Estados Unidos; recebeu o Golden Gate Award para Melhor Documentário em Longa-Metragem; e conquistou o Prémio de Melhor Filme na secção ‘Cinema do Futuro’, no Festival Internacional de Cinema Independente, em Buenos Aires. Recebeu ainda a menção especial do júri no Festival Internacional de Cinema de Locarno, na Suíça, e ganhou o Prémio para a Melhor Longa-Metragem no DocLisboa.

Em 2013, torna a lançar mais uma longa-metragem da sua autoria, A Mãe e o Mar, um documentário sobre as mulheres-arrais, ou ‘’pescadeiras’’, apresentado na 21.ª edição do Curtas Vila do Conde. A sua estreia além-fronteiras deu-se no Festival Internacional de Cinema de Roma seguindo-se, depois, o DocLisboa (2013).

Recebeu o prémio de Melhor Longa-Metragem na competição portuguesa, integrando a selecção do Festival de Cinema de Mar del Plata (Argentina), o Festival Internacional de Documentários em Copenhaga (Dinamarca), RIDM - o Festival Internacional de Documentários de Montreal (Canadá) e o Festival Internacional de Cinema de Roterdão (Holanda). Em Fevereiro de 2014, este seu trabalho foi escolhido para abrir a Quinzena de Documentários do MoMa – Museu de Arte Moderna, em Nova Iorque. Em 2014 foi ainda premiado por outro trabalho seu, The Trail of a Tale, que ganhou o 1.º lugar, na categoria de autores entre os 18 e os 35 anos, do Concurso Action4Climate, promovido pelo Banco Mundial.

Além de realizador e produtor, Gonçalo Tocha é músico, sendo membro fundador dos Lupanar, banda de música urbana portuguesa, e do duo Tochapestana. Para além dos seus projectos musicais, é também o responsável por algumas bandas sonoras para peças de teatro e espectáculos de dança, tendo sido igualmente o criador da banda original para o documentário de Pedro Sena Nunes, Elogio ao 1\2, filme inserido no ciclo “25 de Abril, Sempre - Parte II. A Distância das Coisas” (2014). Entre as várias actividades ligadas à produção e à realização audiovisual, destaca-se ainda a co-realização dos videoclipes da banda portuguesa Deolinda, somando, ainda, outras colaborações na área da música e do cinema até ao presente.